суббота, 31 мая 2014 г.

os últimos Romanov seriam bolcheviques se não fossem os czares



Alexandr Mijáilovich, neto do czar Nicolai I e tio do czar Nicolai II (também foi marido da irmã de Nicolai II), chefe da Direcção da Flota Comercial do Imprio Russo nos anos 1902-1905:


"Ocorreu-me que embora eu não fosse um bolchevique, mas eu não podia concordar com meus parentes e conhecidos e de forma imprudente condenar tudo o que os Soviets fazem, só porque isso é feito pelos Soviets. Sem dúvidas eles mataram três dos meus irmãos, mas eles também salvaram a Rússia do destino de um vassalo dos aliados.

O tempo, quando eu os odiava e tinha muitas ganas de chegar até Lenin ou Trotskiï, passou, porque eu comecei obter as notícias sobre um e depois sobre outro passo construtivo do governo de Moscou e encontrei-me com o fato de que eu sussurrava: "Bravo!". 

Como todos os cristãos que "não são frios nem quentes" eu não conhecia outra forma de remediar o ódio, como inundá-lo em outro ódio, ainda mais ardente. Os polacos me ofereceram um objetivo conforme última opção.

Quando no início da primavera de 1920 vi as manchetes dos jornais franceses, anunciando uma procissão triunfante de Pilsudski sobre os campos de trigo da Maloróssia [1.], algo fraturou dentro de mim e eu esqueci sobre o fuzilamento de meus irmãos, ocorrido faz um ano. A única coisa que passava por minha cabeça foi: "Os polacos estão prestes a tomar Kiev! Eternos inimigos estão prestes a cortar as fronteiras ocidentais do Império Russo". Eu não ousei me expressar abertamente, mas ouvindo as conversas absurdas dos refugiados e olhando para seus rostos, eu desejava com toda a minha alma a vitória do Exército Vermelho.


Não importa que eu era o Grão-Duque. Eu era um oficial russo, que deu juramento para defender a Pátria de seus inimigos [2.]. Eu era o neto do homem que ameaçou arar as ruas de Varsóvia, se os polacos uma vez mais se atrevessem a quebrar a unidade de seu império. De repente, ocorreu-me uma frase desse antepassado meu, uma frase de 72 anos atrás. Direito no informe sobre os "atos ultrajantes" do ex-oficial russo de artilharia Bakunin [3.], que levou a multidão dos revolucionários alemães na Saxônia para assaltar a fortaleza, o Imperador Nicolau I escreveu com letras grandes: "Hurra a nossos artilheiros"!


A semelhança da minha e sua reação me surpreendeu. Eu senti a mesma coisa quando o comandante vermelho Budionny derrotou as legiões de Pilsudski e perseguiu-o até Varsóvia. Desta vez os elogios foram dirigidos para os cavaleiros russos, mas no resto poucas coisas mudaram desde os tempos do meu avô. 

- Mas você parece esquecer - o meu fiel secretário disse - que, entre outras coisas, a vitória de Budionny significa o fim às esperanças do Exército Branco na Crimeia. 

Sua observação razoável não abalou minhas crenças. Naquele verão inquieto do vigésimo ano ficou claro para mim, igual que é claro para mim agora no tranquilo ano de 1933, que para alcançar uma vitória decisiva sobre os polacos o governo soviético fez tudo o que era necessário fazer para um governo verdadeiramente popular. Parece irônico que os participantes da III Internacional tenham de proteger a unidade do Estado russo, mas a verdade é que desde aquele mesmo dia os soviéticos estão obrigados a realizar uma política puramente nacional, que não é outra coisa senão a política de muitos séculos, lançada por Ivã o Temível, desenhada por Pedro o Grande, que atingiu seu ponto culminante sob Nikolaiï I. Essa politica é defender as fronteiras do estado a qualquer preço e passo por passo avançar até as fronteiras naturais no Ocidente! Agora eu tenho certeza que até mesmo meus filhos vão ver o dia quando chegar o fim não só à independência absurda das repúblicas bálticas, mas quando a Bessarábia e Polônia também ser recuperadas pela Rússia e os cartógrafos terão que trabalhar duro sobre a redefinição das fronteiras no Extremo Oriente [4.].

Nos anos vinte eu não me atrevi a olhar para um futuro tão distante. Então eu estava preocupado com meu problema puramente pessoal. Eu vi que os soviéticos saiam de uma longa guerra civil como vencedores. Ouvi que eles cada vez falavam menos dos temas que ocupavam tanto a seus primeiros profetas nos dias tranquilos do "La Closerie des Lilas" [5.] e cada vez eles falavam mais dos temas que sempre foram vitais para o povo russo como um organismo unido. E eu perguntei a mim mesmo, com toda a seriedade, que você esperaria de um homem privado de sua propriedade significante e que testemunhou a liquidação da maior parte dos irmãos: "Se eu, como um produto do império, uma pessoa educada em crença na infalibilidade do Estado, se eu ainda posso condenar os atuais governantes da Rússia?”.

A minha resposta foi: "sim" e "não". O Senhor Alexander Romanov gritou "sim". O Grão-Duque Alexandre disse "não". O primeiro foi obviamente decepcionado. Ele adorava suas propriedades prósperas na Crimeia e no Cáucaso. Ele desejava entrar uma vez mais no escritório de seu palácio em São Petersburgo, onde os inúmeros estantes abarrotavam dos volumes encadernados em couro sobre a história da navegação e onde ele poderia preencher as noites com as aventuras, apreciando as antigas moedas gregas e rememorando esses anos que ele tinha passado em sua busca.

Felizmente para o Grão-Duque, ele sempre foi separado do senhor Romanov com uma face. Portador de um título muito alto, ele sabia que ele e sua turma não deveriam ter um conhecimento amplo ou exercer a imaginação e, portanto, no caso da resolução da dificuldade atual, ele não hesitou, porque simplesmente tinha que confiar em sua coleção de tradições, essencialmente banais, mas surpreendentemente eficaz para fazer soluções. Fidelidade à Patria. Exemplo dos antepassados. Conselhos dos iguais. Permanecer fiel à Rússia e seguir o exemplo dos Romanov, que nunca imaginavam-se mais do que seu império, significava aceitar que foi mister ajudar ao governo soviético, não obstaculizar seus experimentos e desejar sucesso naquilo em que os Romanov falharam".

Fonte:

http://www.ozon.ru/context/detail/id/128574/

1. Maloróssia significa em russo "Pequena Rússia", o nome carinhoso que se usava na Rússia para chamar aquelas terras que agora são conhecidas como a Ucrânia. "Pequena Rússia" quer dizer "coração da Rússia, o centro do mundo russo", quando a "Grande Rússia" era só uma periferia da Pequena Rússia. O nome "Ucrânia" foi dado a essas terras pelos polacos: "Ucrânia" quer dizer "margem, zona marginal, periferia" - assim com desdém os polacos chamavam esse território. Os russos mais tarde também usavam esse termo "Ucrânia", mas ele foi usado tanto para a "Rússia Pequena" como para o atual Cazaquistão.

2. Uns 30% dos oficiais que juravam fidelidade a Nicolai II depoís da Revolução Russa passararm para o lado do Exército Vermelho.

3. http://pt.wikipedia.org/wiki/Mikhail_Bakunin

4. Alexandr Mijáilovich teve razão e os acontecimentos esperados por ele ocurreram.

5. Lenin e Trotski gostavam de jogar xadres nesse cafe de Paris, também o cafe foi frecuentado por Paul Verlaine, Maurice Maeterlinck, Oscar Wilde, August Strindberg, Ernest Hemingway, etc.

пятница, 30 мая 2014 г.

neonazistas: legitimados na Ucrânia, marginalizados na Rússia

São poucos os neonazistas na Ucrânia?

Os principais motores ideológicos do último "Maidan" [1] foram os liberais e nacionalistas (em toda sua gama até os neonazistas). A cor "marom" desde o início marcou as protestas populares em Kiev, provocadas pelas elites ocidentais em conluio com os interesses dos EUA.

Naturalmente a crítica das forças pró-Rússia não faz a vista grossa para a reabilitação do nazismo, que vive a Ucrânia durante os últimos 20 anos. O fato que os representantes mais radicais do nacionalismo ucraniano ganharam "só" 10,4% (o terceiro posto) nas eleições presidenciais de 25 de Maio de 2014 não ajuda aos liberais e as elites ocidentais para se limpar [2].

Em primeiro lugar, 12% é um "bom" resultado. Não sabemos se esse resultado é confiavel: não esqueçamos que as eleições não foram legítimas (crimes contra a humanidade, cometidos pela junta de Kiev em Odessa e em cidades do Leste do país, terror contra os jornalistas, manipulações em principais canais da televisão, falsificações em massa, etc.) e em segundo lugar, achamos, que os resultados foram desenhados em Washington: se Washington quisesse a vitória do mesmo diabo, ganharia o Darth Vader! Mas é importante que por agora os nazistas foram abertamente legitimados na Ucrânia. Ao mesmo tempo é verdade que eles ainda não têm seu próprio canal da televisão como o candidato ganhador das "eleições" e por isso tem só o terceiro posto.

Embora que os resultados das "eleições" não sirvam muito para entender estatisticamente o panorama político da Ucrânia, se pode dizer com "certa certeza" que 360 mil ucranianos apoiam abertamente aos neonazistas e outros 1,5 milhões simpatizam aos nacional-populistas. Acaso para um país que se encontra na guerra civil 360 mil nazistas francos é pouco? E acaso são poucos os outros 1,5 milhões que apoiam o candidato que pratica as torturas contra os insurgentes? [3].

Queremos enfatizar que os golpistas de Kiev poderiam evitar os levantamentos pro-Rússia no Sudeste do país de um jeito muito simples: se lhes deixassem o status regional da línuga russa e prometessem certa autonomia. Claro que os golpistas até poderiam enganar aos russos e os pro-Rússa, mas eles não fizeram nada para evitar a guerra civil, ao contrario desde o inicio todos os lideres do golpe usaram a retorica ultra nacionalista e russofóbica. Por isso o elemento nazista do golpe de estado na Ucrânia é tão importante, os nazistas são forças de ataque de Kiev.

Onde estão os neonazistas na Rússia?

Sobchak (afilhada de Putin), Prosvirnin e Belkovski
Nessa situação muitos estão preocupados: se a Ucrânia está tão infectada pelo nazismo e nacionalismo étnico, como está a mãe Rússia?

Na Rússia Konstantin Krylov [4], um dos principais ideólogos do nacionalismo étnico russo, líder do Partido Nacional-Democrático (não registrado), organizador das Marchas Russas sonha com uma revolução laranja de modelo ucraniano:

"O protetorado oficial dos EUA [na Rússia] seria uma significante ascensão do status atual da Erreéfe [5] (que é uma colônia do Ocidente, sem compromissos alguns de parte do Ocidente). Mas eu tenho medo que o protetorado oficial não seja possível agora. Então é mister fazer uma revolução nacional e demandar um status comparável com o dos países do Leste Europeu".

Grosso modo os nacionalistas étnicos russos consideram o grupo governante de Putin como uma junta ilegítima que com ajuda dos clãs criminosos do Cáucaso quer trocar o povo russo pelos migrantes ilegais da Ásia para continuar roubando os recursos naturais da Rússia sem perigo algum da oposição do povo russo. Os nacionalistas étnicos são favoráveis ao golpe de estado na Ucrânia, mas ao mesmo tempo eles também apoiam a reintegração da Crimeia e o levantamento dos russos no Sudeste da Ucrânia.

Outro sonhador da revolução colorida de padrão ucraniano na Rússia é Stanislav Belkovski, um intelectual bastante popular, cuja tarefa é ligar os nacionalistas com os liberais, ele repete todas as teses de Konstantin Krylov:

"Eu acho que o nacionalismo é a única maneira para desestalinizar a Rússia. Por que Stalin é popular? A desestalinização começou em 1956, logo durante a "perestroika" sobre Stalin e seus crimes foi escrito tudo o que foi possível. Por fim foi publicado numa enorme circulação o "Arquipélago Gulag"... Mas hoje há mais torcedores de Stalin do que aqueles que pelo menos leram os fragmentos do "Arquipélago Gulag"! Por que Stalin é tão popular? Porque é impossível desmerecer a ele no marco do paradigma imperial, que domina toda nossa história! Porque Stalin é um dirigente imperial.

Mas é possível demonstrar que Stalin é ruim desde as posições do nacionalismo! Para isso temos que dizer que a Rússia recusa seu próprio paradigma imperial, que o império foi um mecanismo de chupar os sumos do povo russo, mecanismo da liquidação do povo russo, que Stalin eliminou "a crema" do povo russo, nisso ele tem sua culpa histórica.

Com isso o paradigma nacionalista... traz consigo certos custos e é possível que a consciência das elites hoje ainda não esteja pronta para esses custos. Antes de tudo há que revisar os resultados da II Guerra Mundial... Porque com desmerecimento de Stalin se esclarecerá que vitória não foi necessária e que a guerra também não foi necessária. E talvez que seria melhor fazer uma trégua com Hitler? Além disso, a vitória do paradigma nacionalista deve absolver o general Vlasov. Porque se Stalin é ruim, Vlasov é bom. Vamos ter que admitir, que nos territórios ocupados os russos viveram melhor do que sob o poder dos bolcheviques. Isso significa que a vitória não correspondia aos interesses da nação russa. A nação russa deveria estar interessada na derrubada dos bolcheviques que seria possível numa aliança com Hitler.

Se a Rússia um dia se transformar de império num estado nacional, ela será parecida à República Tcheca ou a Estônia".

Não vamos comentar aqui a incoerênica e falsificação de historia, que promovem os intelectuais confundidos (além de isso não todos os nacionalistas russos estão prontos para absolver o traidor e criminoso de guerra general Vlasov). Só qeuremos presentar a lógica de sua confusão. Sua missão é reduzir a Rússia até a República Tcheca ou Estônia sob o protetorado oficial dos EUAReduzir-se ia seu tamanho aos territórios que faziam parte oriental da antiga Rus’ de Kiev (surge a questão se essa Rússia Nacionalista Reduzida até o Principado de Rostov-Suzdal tem que pagar penas por não ter pagado os impostos a Kiev desde o século XII?). 

Dessa forma, toda a obra imperial iniciada pelos príncipes moscovitas nos séculos XIII e XIV e continuada pelos tsares das dinastias Rurikida e Romanov e pelos líderes soviéticos seria jogada no lixo. Isso seria o mesmo que se, por exemplo, a China fazer o mesmo e resolver limitar-se ao controle da região sul do país, concedendo independência ao Tibete, Manchúria, Mongólia Interior e o Xinjiang (chamado de Turquestão Oriental pelos separatistas locais) e voltando a situação em que estava durante o fim da Dinastia Song (960 – 1279).

As novas gerações dos nacionalistas russos têm essas ideias apresentadas anteriormente como coisas óbvias. Egor Prosvirin, redator de um dos sites mais exitosos na internet russa diz: "Eu não vejo nada bom na vitória da URSS na Segunda Guerra Mundial. Eu acho que no caso da derrota a gente obteria a mesma Federação Russa, que temos hoje".

Os nacionalistas e liberais já pactuaram na Rússia durante as manifestações em 2012. Seu líder é Aleksei Navalni [6], um blogger bastante talentoso, preparado nos EUA, que combina em seu programa as teses dos nacionalistas e dos liberais. Ao mesmo tempo é importante que os nacionalistas, nazistas e os liberais mais odiosos por agora estão marginalizados na Rússia e não tem muito apoio. Sua atividade se limita nas fronteiras da cidade de Moscou, desafiada pela migração massiva da Ásia e das regiões do Cáucaso e infectada pelo globalismo e eurocentrismo. Entretanto sua ideologia é uma bomba-relogio que espera seu tempo, porque as elites oligárquicas ainda não estão liquidadas na Rússia e podem ativar essa bomba.

Se os nacionalistas radicais ucranianos estão desenhados para separar a Ucrânia da Rússia e para acompanhar uma agressão do Ocidente contra a Rússia. Os nacionalistas radicais russos foram sintetizados em frascos de Goebbels e Brzezinski para ser os "separadores" do Cáucaso, Sibéria, Extremo Oriente, etc.

1. "Maidan" é o nome da praça principal de Kiev, manifestações na qual servem de cobertura para os golpes do estado na Ucrânia: em 2004 e em 2014

2. Os neonazistas Tiagnibok e Yarosh obtiveram 2% e o nacional-populista Liashko ganhou 8,4%.



5. RF em russo. РФ é uma silga, que quer dizer "Fereração Russa" - os nacionalistas zombam desse título oficial, eles não reconhecem federação nenhuma igual que os nacionalistas ucranianos.



Redacção de Eduardo Consolo dos Santos

воскресенье, 25 мая 2014 г.

Quem são os separatistas na Ucrânia?


frases (protestas "pacificas", democracia, etc.) e ...bases
Agora é moda comparar as repúblicas autoproclamadas pró-russas no Sudeste de "estado falido (failed state)" da Ucrânia com a República Chechena de Ichkeria, autoproclamada pelos fanáticos muçulmanos no Cáucaso Russo [1].

A lógica é seguinte: a Rússia lutava (e continua lutando) contra o separatismo gerado no Cáucaso pela quebra da legitimidade do governo federal nos anos 90. A capital da república autoproclamada de Ichkeria foi apagada da face da Terra com a técnica pesada do exército russo (e reconstruída faz pouco tempo). Então, por que a Ucrânia pese a crise da legitimidade, não pode exercer a operação antiterrorista em seu território? Essa lógica, desenhada dentro do Departamento do Estado dos EUA, se repete pela propaganda de Kiev e por todos os opositores do grupo governante de Putin dentro da Rússia.

Assim os críticos incriminam a Rússia uma moralidade de duplo padrão.

Até um dos principais canais da Rússia pela confusão de seus redatores estúpidos usou um vídeo da operação antiterrorista, exercida pelas tropas russas em Kabardino-Balkária (uma república da Federação Russa situada no sul do país, mais precisamente no norte do Cáucaso) para ilustrar a missão punitiva de Kiev na cidade de Slaviansk. "Não acham isso o cúmulo da hipocrisia"? - dizem os torcedores do golpe de estado na Ucrânia.

Não, não achamos.

Achamos que a Rússia tem um problema bastante grave dos trabalhadores incompetentes em muitas esferas, o jornalismo incluso. Obviamente os erros dos jornalistas são como "fogo amigo" durante as batalhas informativas, esses erros custam muito, mas não achamos parecidos os casos da guerra na Chechênia (e em outras repúplicas muçulmanas infectadas pelos radicais) com a guerra civil na Ucrânia.

1. É verdade que a Ucrânia atualmente vive uma terrível crise da legitimidade, mas essa crise não começou no inverno de 2013, nem durante a Revolução Laranja em 2004, senão em 1991, se falamos do século XX (na realidade essa crise acompanha a história da nação ucraniana a partir do século XVI, mas foi superada nos períodos de estabilidade da Rússia [2]). Uma significante parte do povo ucraniano se identifica com a Rússia. As palavras "o mundo russo" não são um som vazio. Mas de 80% dos cidadãos da Ucrânia afirmavam em 2008 que a língua russa é sua língua materna [3].

um fôlder goebbeliano para a Ucrânia

Então os verdadeiros separatistas são as elites ucranianas que querem separar uma grande parte do povo ucraniano do sistema-mundo da Rússia em termos de Wallerstein (e elas conseguiram lavar os cérebros de muitos jovens. É curioso que muitos neonazistas ucranianos não falam a língua ucraniana, senão a russa, ao mesmo tempo odiando a Rússia).


Aliás, não pode ser assim que todo o mundo na Ucrânia aceite a ucranização forçada, imposta por Kiev durante os últimos 20 anos.

Se os separatistas chechenos realizaram um genocídio físico dos russos na Chechênia e queriam impor a Sharia a todos os chechenos, a nova elite ucraniana acudiu à assimilação forçada linguística dos ucranianos pró-Rússia - ao linguicídio - e quer lhes impor sua própria visão de história.

2. A elite atual da Ucrânia esta inspirada na experiência da parte ocidental da Ucrânia - a Galícia. Mas justo ali na Galícia, igual que na Chechênia, durante a Segunda Guerra Mundial foi notável o colaboracionismo em massa com os nazistas (a ponto de uma divisão local da Waffen SS ter sido criada), justificado pelo separatismo contra URSS!

Agora os sucessores da divisão SS Halychyna e do Legião do Cáucaso do Norte da Wehrmacht continuam lutando pela separação da Rússia, e eles lutam juntos ao pé das letras (as novas gerações de UNA-UNSO [4] participaram na guerra da Chechênia contra a Rússia) [5]. Os lideres dos neonazistas ucranianos abertamente pedem aos terroristas do Caúcaso russo que lhes ajudem contra a Rússia [6].

3. A nova elite de Kiev pratica o terror contra o povo pacífico igual que os terroristas chechenos: a missão punitiva contra a cidade de Odessa é parecida aos atentados terroristas mais cruéis que praticaram os radicais muçulmanos na Rússia [7].

4. A Ucrânia Ocidental, o motor da russofobia separatista ucraniana é muito parecida ao Cáucaso russo: são regiões fronteiriças, atrasadas, agrícolas, com alta tensão demográfica e apadrinhadas tradicionalmente pelas inteligências estrangeiras.

5. A nova elite de Kiev, igual que os vahhabis da Chechênia, guerreiam contra seu próprio povo: os primeiros desumanizaram uma parte dos ucranianos pró-Rússia, dando-lhes as alcunhas humilhantes como os "сolorados" (pela cinta de São Jorge, símbolo da vitória na Segunda Guerra Mundial, que conforme aos neonazistas é parecida ao besouro do Colorado), quando os vahhabis chechenos desumanizam a seus compatriotas, marcando-lhes como os "cafres".


6. O separatismo russofóbico da Ucrânia atual, igual que o separatismo dos terroristas do Cáucaso, não esta orientado só à separação da Rússia (do sistema-mundo da Rússia). Os radicais ucranianos sonham com uma Ucrânia dos Cárpatos até o rio Volga e o norte do Cáucaso (Vale lembrar que os atuais radicais não foram os primeiros a advogar tal ideia. Em seu livro “Die Ukraine” [publicado na Alemanha em 1939], o georgiano pró-nazista Mikhail Tsulukidze advoga uma Ucrânia com tal extensão territorial [8]) e tem reivindicações territoriais para a Rússia. Igual que os separatistas radicais do Cáucaso não guerreiam pela independência da Chechênia ou do Daguestão (são repúblicas étnicas dentro da Federação Russa e tem suficiente independência), senão pelo Emirado do Cáucaso, que também tem reivindicações territoriais para a Rússia, visando à restauração do Califado do Norte da África até o rio Volga.

7. A Ucrânia Ocidental tem seu solo cultural cheio de bombas e além disso tem muitos motivos para manter seus povos estressados: as comunidades dessas regiões já estão fartas da criminalidade desenfreada, coberta pelas inteligências estrangeiras para alimentar as tendências extremistas locais. E são os mesmos crimes - aqueles que castigam as duas regiões - o tráfico de drogas e venda de álcool falso.

Os leitores podem ver que a mesma junta de Kiev é mais parecida por seu gênesis e modo de atuar aos separatistas radicais do Cáucaso Russo

Também é importante dizer que as repúblicas do Cáucaso tem muita autonomia dentro da Rússia e na realidade não tem motivos suficientes para se separar da Rússia, porque a Rússia é uma federação, enquanto a Ucrânia recusa as autonomias culturais para suas regiões do Sudeste.

Achamos que a situação na Ucrânia é mais parecida à agressão da OTAN contra a República Federal da Iugoslávia [9]: os radicais chechenos fazem no Cáucaso Russo o mesmo papel dos kosovares albaneses, passando a faca em todos os russos (igual que os albaneses organizaram uma purga étnica dos sérvios no Kosovo), os radicais ucranianos tem que transformar a Ucrânia numa nova Croácia. O sudeste da Ucrânia nessa situação vira a República Sérvia de Krajina, que ficou ilhada dentro da Croácia neo-ustashista [10]. Os esquemas da radicalização da Ucrânia são idénticas aos esquemas experimentados na Croacia [11].

Fontes de informações:











пятница, 23 мая 2014 г.

Экскурсии по Москве на испанском, португальском и русском

В силу великого переселения народов и "русской весны" спрос на экскурсии по вечному городу растёт, появляются десятки энтузиастов-москвоведов. Эти лихачи работают с машинами времени: кто прокатит на чёрном воронке, другой зазывает на санях в есенинский кабак.

Москва 1812 года, Москва армянская, Москва готическая, Москва авангардная, булгаковская, военная и т.д. - ассортимент экскурсий ширится день за днём.

Иностранцы также спешат в Третий Рим: позиции России усиливаются, и если цель одних - пожать руку Кремля, мечта других - хотя бы заглянуть в бездну русского мира.

Наша компания работает с испанским и португальским языками (Испания, Португалия, вся Латинская Америка). Мы аккредитованы Ассоциацией гидов-переводчиков, экскурсоводов и турменеджеров, у всех большой опыт работы и небанальный взгляд на город.

Наша миссия - показать Москву без штампов и желтизны, это не значит, что мы игнорируем "чёрные мифы", но мы стараемся не потерять истинное "Я" города.

Мы предлагаем классические программы, однако все ходы и содержание - эксклюзивны. Наши экскурсии - авторские.

1) "Москва - Третий Рим": Кремль и Оружейная Палата, 4 часа

2) "1000 лет за 4 часа": Обзорная экскурсия по городу, 4 часа (+ ночной вариант этой экскурсии).

3) Новодевичий монастырь и Новодевичье кладбище, 3 часа

4) Государственная Третьяковская Галерея - "1000 лет в картинках" и Марфо-Мариинская Обитель (тема русской революции), 3 часа

5) Парки Москвы: Царицыно, Коломенское, Воробьёвы горы, Парк Победы, 3-4 часа

6) Музей Космонавтики, ВДНХ, Рабочий и Колхозница - Москва советская, 3-4 часа

7) Музей-панорама "Бородинская битва", 1 час

8) Посещение Троицко-Сергиевой Лавры, 4-6 часов ( + вариант с посещением усадьбы Абрамцево по пути)

9) Ленинские горки, 4-6 часов

10) Золотое Кольцо, 1-4 дня.

и т.д.

Вы можете попросить сделать акцент на интересующей вас теме, и если мы располагаем достаточными интеллектуальными ресурсами, то предложим свой вариант, или откажем, чтобы не терять марку: знать всего невозможно.

Также мы осуществляем трансферы "аэропорт - отель", последовательный и синхронный переводы.

Наши контакты:

vitalezov@gmail.com

+79262207923

Наше сообщество в facebook: Moscou em português

Наш аккаунт в facebook: Guía de Moscú

Сайт на испанском: guiademoscu.blogspot.com

Сайт на португальском: gauidemoscou.blogspot.com

Здесь вы можете почитать отзывы о нашей работе:

Moscow Tours in Spanish and Portuguese

Come and hurry to visit the Third Rome! Russia is getting stronger, and it's time to shake the invisible hand of the Kremlin or at least look into the abyss of the Russian world.

Our company works with Spanish and Portuguese speaking tourists (Portugal, Spain, all of Latin America). We are accredited by the Moscow Association of guides and tour managers, we all have great experience and an unbanal view of the city.

Our mission is to show Moscow without the stamps and yellowness, it does not mean that we ignore the "black myths", but we try not to lose the true identity of the city.

We offer classical programs, but all the content is exclusive. Our excursions are copyrights.

1) Kremlin and Armory, 4 hrs

2) City tour, 4 hrs (+ night version of this tour).

3) Novodevichy Convent and Cemetery, 3 hrs

4) The State Tretyakov Gallery and Martha and Mary Convent, 3 hrs

5) Parks of Moscow: Tsaritsyno, Kolomenskoye, Sparrow Hills, Victory Park, 3-4 hrs

6) VDNKh - All-Russian exhibition centre, Space Museum and the famous renovated Statue of Worker and Kolkhoz Woman, 2-3 hrs

7) Museum-Panorama Battle of Borodino, 1 hrs

8) Tour to The Holy Trinity-St. Sergius Lavra, 4-6 hrs

9) Gorki Leninskiye, Vladimir Lenin's dacha, where he lived in semi-retirement until his death, 3-5 hrs.

10) The Golden Ring, 1-4 days

etc.

You can request to focus your tour on a topic you are interested in, and if we have sufficient intellectual resources, we will offer our own version, although keep in mind requests can be declined, as it is impossible to know everything.

Contacts:

vitalezov@gmail.com

(00)79262207923

Our facebook community: Moscou em português

Our facebook account: Guía de Moscú

Web page in spanish: guiademoscu.blogspot.com 

Web page in portuguese: guiademoscou.blogspot.com

Moscou: tours, passeios, excursões em português e espanhol


Venha visitar Moscou nesse ano!

Nossa empresa trabalha com clientes que falam português ou espanhol (Portugal, Espanha, todos os países da América Latina).

Nossa equipe esta credenciada pela Associação de guias, intérpretes e gerentes de turismo de Moscou, todos os empregados têm muita experiência e uma visão original sobre a história da nossa capital.

Nossa missão é mostrar Moscou sem clichês e sem cair no estilo da imprensa marrom. Nossas excursões são originais. Oferecemos os programas clássicos, mas todo o conteúdo é exclusivo.

1) City tour em carro, 4 hrs ou City tour a pé pelo Centro Histórico, 4-5 horas

2) Kremlin e Armeria, 4 hrs

3) Convento Novodevichi e Cemitério, 3 hrs

4) Galeria Tretiakov e Convento de Santa Marta e Santa Maria, 3 hrs

5) Parques de Moscou: Tsarítsyno, Kolómenskoye, parque da Vitória, 3-4 hrs

6) VDNKh, a feira dos êxitos da economia popular da URSS, Museo da Cosmonáutica e monumento ao Operério e à Mulher-Koljoziana, 2-3 hrs

7) Museu panorâmico da Batalha do campo de Borodinó, historia da Guerra Patriótica contra a Europa de Napoleão, 1 hrs

8) Visita ao Mosteiro da Santíssima Trindade e São Sergio, 4-6 hrs

9) Gorki Léninskiye, a residência de Vladimir Lénin, onde o líder da Revolução Russa viveu seus últimos anos, 3-5 hrs.

10) Anel de Ouro, 1-4 dias.

11) Museu de aviação em Mónino/Museu de tanques em Kubínka. Parque "Patriota" em Kubínka - "Disneylandia militar", 1 dia

12) Moscou - Tver - Torzhok - Valdai - Veliki Nóvgorod - São Petersburgo, um recorrido de Moscou para São Petersburgo em 2 dias (dormimos em Veliki Nóvgorod).

etc.

Também podemos modificar o conteúdo dos programas conforme os seus interesses e, se nossa empresa dispor de recursos intelectuais suficientes, vamos oferecer nossa própria versão de seu tour ou vamos recusar, porque não é possível saber de tudo.

Os contatos:

vitalezov@gmail.com

(00)79262207923

Nossa comunidade de facebook: Moscou em português

Nossa conta de facebook: Guía de Moscú

Página web em espanhol: guiademoscu.blogspot.com

Página web em português: guiademoscou.blogspot.com

пятница, 9 мая 2014 г.

A bandeira da Vitória era vermelha!


Não esqueçamos que a bandeira da Vitória era vermelha!

Não esqueçamos que foi a URSS, ou seja o povo soviético, sob a direção de Stalin e PCUS, que ganhou a guerra.

Não esqueçamos que a URSS guerreava contra toda a Europa fascista, não só contra Alemanha, Itália e Japão. Quase toda a economia do mundo ocidental trabalhava para Hitler. O fascismo pan-europeu foi uma virada neo colonialista do Ocidente. Ocidente - mobilizado com a ideologia da superioridade dos europeus sobre todos os demais.

Durante os últimos 20 anos, as elites intelectuais nos alimentam com sua interpretação "alternativa" da vitoria:

Os rússos ganharam a guerra sozinhos. Então, ja não é uma festa principal para os ucranianos, kazajos e todos os demais povos pós soviéticos. Não somos irmãos agora! Os nacionalistas fazem de tudo para separar nossa grande família.

um alemão morto abraça um jarro roubado
E a guerra foi ganhada pelo povo rússo apesar de Stalin! Os cientistas desenhavam as armas, ocultando seu trabalho de Stalin. O povo se organizava nos exércitos pelas noites em segredo, enquanto o tirano dormia, de mesmo jeito foi auto dirigida a econômia do país, etc. Que tal?

A guerra foi ganhada só com ajuda de um ícone milagroso que Stalin mandou subir no ar nos aviões. Depois que o ícone sobrevoou Moscou 7 vezes, a guerra se acabou, afirmam os PhD do século XXI.

Surgem os boatos sujos para difamar nossa vitoria: "Holodomor", Katyn, bilhões de alemães estuprados pelas ordas dos bolcheviques cegos de vokda.

A destruição da memoria histórica conduz só ao renascimento do fascismo.

Acordem, povos que não pertencem ao "Primeiro Mundo"!

Se esquecemos o legado da Segunda Guerra Mundial, estaremos perdidos!