воскресенье, 31 мая 2015 г.

Consultorio Robotizado

Meus caros amigos, ultimamente eu recebo muitas cartas, e para responder gasto cada vez mais tempo.
Lamentavelmente há gente que acha que somos um “consultório robotizado”, não está certo) Sou uma pessoa real e minhas respostas consomem meu tempo, que eu poderia dedicar a minha família.
Mas como as perguntas são bastante parecidas, eu achei que “robotizar” as respostas seria uma boa ideia)
Por favor, entendam- que guiar aos estrangeiros por Moscou é meu trabalho. Se vocês simplesmente quiserem falar sobre as opções de uma teórica viagem à Rússia, vocês podem se registrar na página de Tripadvisor e aproveitar essa ferramenta de intercambio das experiências de viagens.
Ser guiado é um privilégio, portanto os serviços de guia custam dinheiro. Se sua tarefa é economizar, antecipadamente lhes dou as seguintes dicas:
1) O city tour gratuito é assim chamado “Free Tour”, em cada hotel vocês verão as ofertas deste programa. A ideia de “Free Tour” é juntar muita gente, guiá-la umas 2 horas andando pelo centro da cidade e logo oferecer outros programas mais interessantes, desta vez pelo dinheiro. O “Free Tour” não é “free”, é uma forma de vender outros tours. Claro, o conteúdo do “Free Tour” é bastante chato e limitado. Não acho que valha a pena gastar tanto dinheiro em avião para fazer um Free Tour medíocre. O nosso city tour é de 4 horas, em carro, muito mais informativo e interessante.
2) Para até 3 pessoas pode ser bastante interessante a opção de “Hop On Hop Off”. Para 3 pessoas o custo de “Hop On Hop Off” já é quase igual a um city tour de carro real. Para 4 pessoas o “Hop On Hop Off” não faz sentido, porque um city tour de carro real é mais econômico. Um city tour de carro real cobre mais artefactos históricos, é mais exclusivo e mais interessante, enquanto que o “Hop On Hop Off” é somente um jeito de conhecer o centro da cidade. Às vezes eu recomendo a meus turistas (que queiram economizar) conhecer o centro com ajuda do «Hop On Hop Off» e logo lhes mostro as periferias da cidade por carro (Parques de Moscou, 4 horas).
3) “Onde consigo o ticket pra o ballet bolshoi?” Se não puder comprar pela página do Teatro Bolshoi, então, só medio dos revendedores, que andam pela Praça Vermelha e também sempre estão ao lado das caixas do Teatro.
Obrigado,
Vitaly

пятница, 8 мая 2015 г.

Sobre a profanação da 2GM

Não é de se surpreender que o Ocidente menospreze o protagonismo da Rússia (a URSS) na Segunda Guerra Mundial. No resultado desta campanha vergonhosa a maioria dos cidadãos do Ocidente e de sua órbita “cultural” acham que a Segunda Guerra Mundial foi iniciada pelos monstros totalitários: a URSS e a Alemanha Nazista em 1939 - com a partição da Polônia, e que a guerra foi finalizada pela vitória dos EUA com o desembarque na Lua. É triste, porque nos primeiros anos após a guerra, a contribuição fundamental da Rússia era indiscutível, mas também o monopólio atual de Hollywood sobre a vitória é lógico: porque a Rússia ficou fraca e não conseguiu se defender adequadamente no campo informativo-memorial. 

Seja como for, o quadro fantástico pintado pela propaganda dos EUA se destrói com uma só pergunta: por que os "heroicos" aliados da URSS abriram a segunda frente apenas no final da guerra - em 1944?

A Campanha Norte-Africana de 1940-1943 e aInvasão Aliada da Itália em 1943 não podem ser um argumento sério, porque sua escala é incomparável com a situação na frente russa. É pouco provável que haja fanáticos que vão refutar este fato, mas temos que aceitar que quanto mais degradação intelectual vivermos, mais provável será a distorção destes enredos. Por ora uma das formas mais "populares" da profanação da vitória é o lend lease

A ajuda dos aliados no marco do lend lease se estendia de 4 a 10% das possibilidades da URSS. Deixamos passar em branco o fato de que os aliados não cumprissem com suas promessas sobre os volumes de fornecimento de armas, que seus armamentos em muitos casos já não eram atuais tecnicamente. “Já para a primaveira de 1943 as Forças Armadas dos EUA superaram os nossos 8,5 mlhões soldados, - escreve o historiador russo Boris Iúlin, - eles tem uma fortíssima indústria militar. E isso, só nos meados da guerra. A Inglaterra (sem contar as colônias e domínios) tem 4,8 milhões. Junto com a URSS a coalizão anti Hitler tem o dobro superioridade sobre o inimigo em terra e quatro vezes no mar e no ar. O que os atrapalhou de eliminar o inimigo com os golpes decisivos e acabar com a guerra? A URSS, na primavera de 1943, manteve em frente mais de 6 milhões de soldados – quando os aliados, que são duas vezes mais numerosos, tinham à sua frente menos de 1 milhão...

Tudo é certo – “que estes russos e alemães matem uns aos outros tanto quanto possível!”. Assim, nossos “aliados fiéis” não precisariam abrir uma segunda frente em 1942 e, ao invés disso, prometeram fazê-lo em 1943. Porém, eles não o fizeram em 1943, mas juraram em Teerã que o fariam já na primavera de 1944... Como resultado, uma segunda frente é aberta no verão de 1944, quando a eliminação da Alemanha já é evidente para todos.

Na guerra de coalizão a ajuda real pode ser uma só: as ações ativas de combate em larga escala. Não foram os aliados que nos ajudaram, mas sim nós que os ajudamos. Nós assumimos por eles a carga das principais ações de combate.

Mesmo se o lend lease não fosse de 4-10%, mas de 100%, e estes fornecimentos não fossem por dinheiro, mas sim de graça, do mesmo jeito isso não mudaria a realidade de que fomos nós que ajudamos os aliados, morremos por eles.

Seria melhor se as armas que eles nos mandavam fossem usadas na Europa pelas mãos dos soldados estadunidenses e ingleses. Essa seria uma ajuda mais adequada por parte deles". [1.]

“Desde os primeiros dias da guerra, Stalin solicitava raivosamente dos aliados anglo-americanos que abrissem imediatamente a segunda frente, - escreve o historiador Arsen Martiroçian. – Em resposta a Grã-Bretanha ofereceu-lhe permissão para introduzir suas tropas na Transcaucásia – com o baixo pretexto de proteção dos reservatórios soviéticos de petróleo. Os EUA ofereceram que lhes alugassem os aeródromos soviéticos no Oriente Extremo”. [2.]

Lembrando da ajuda "sangrenta e desinteressada" dos anglo-saxões durante a Guerra Civil, quando tivéramos que expulsar os invasores com força, estas ofertas foram rejeitadas. Os britânicos não queriam derramar a sangue e continuaram oferecendo seus serviços de guardas para os centros soviéticos da produção e processamento de petróleo (86,5% foram concentrados na Transcaucásia (Bacu) e no Cáucaso (Grozni). 

A oferta dos EUA não foi menos vil e provocativa – se a URSS deixasse aos EUA alugar os aeródromos no Oriente Extremo, ela automaticamente violaria as condições do Pacto de Neutralidade de 13 de abril de 1941. O Japão declararia a guerra à URSS! 

Resumindo - a ajuda dos aliados é tão vergonhosa como sua instigação da guerra [3.]. Não falamos aqui sobre a colaboração em massa dos países ocupados pelos Nazistas nem sobre a evacuação de certos capos de Nazistas e seus colaboradores no pós-guerra para o Ocidente.

2. Arsen Martirosian “200 mitos sobre Stalin” 
3. http://guiademoscou.blogspot.ru/2015/02/2gm-refresquemos-memoria.html

Se você gostou de meu blog, pode ajudar materialmente:


money.yandex: 41001636397604 

Cartão de Sberbank da Rússia: 676196000420219652 

Vou mandar o dinheiro coletado com ajuda de meu blog para as ONGs civis de minha confiança em Donbass.

пятница, 1 мая 2015 г.

a churrasqueira «Kremlin»

Os kievanos que apóiam os bombardeios da artilharia pesada contra os civis no russófilo Leste da Ucrânia em mais um chilique de russofobia inventaram a churrasqueira «Kremlin».


A primeira churrasqueira Kremlin foi de 3 metros de comprimento! – graças a Deus que não de 2,2 quilômetros, como o Kremlin real. Mas os modelos novos são mais pequenos – para transportar em carro. O novo produto gerado pela criatividade ucraniana custa 50 dólares. O público-alvo devem ser os soldados dos EUA, que vieram à Ucrânia para preparar uma agressão contra a Rússia.

Duvidamos que esta recém lançada churrasqueira Kremlin tenha muito êxito entre os ucranianos – nos anos próximos eles não vão ter dinheiro para desfrutar de churrascos. Conforme o otimista FMI em 2015 as rendas vão cair por 15%.

A renda média anual hoje é menos de 5 mil dólares: depois de Maidan os ucranianos não fizeram parte da Europa, senão da África [1. ].

Possivelmente os autores da churrasqueira Kremlin foram inspirados pela performance de uma artista de Kiev, que no marco da “guerra híbrida” colocou um pedaço de carne sobre sua cabeça e assim posou com o Kremlin ao fundo [2. ].



Era difícil entender a mensagem da mulher, mas pelo menos agora tudo faz sentido: carne, Kremlin ... e churrasqueira.

Não haverá churrascos, como já dissemos. Mas ver o Kremlin em chamas – isso pode ser realizado. A queima de um Kremlin condicional – como um símbolo do poder – é o cume de cada ciclo da história russa. Depois de cada incêndio a Rússia renasce. A comparação da Rússia com a ave Phoenix já é um clichê nos textos sobre a Terceira Roma.

- Moscou foi queimado pelos mongóis no século XIII e a desintegrada e fraca Rússia virou um forte estado da Horda de Ouro.

- o Kremlin foi incinerado em meados de século XIV, o reconstruímos com pedra branca, depois o príncipe Dmitri do rio Don eliminou um exército dos mongóis no campo Kulikovo e deixou de pagar o tributo. Moscou estava digerindo a Horda de Ouro.

- o Kremlin foi destruído pelo incêndio de 1547 – no ano da coroação de Ivã, o Severo e a Rússia post Horda virou o Czarato Russo, que vai integrar o khanato de Casão e o de Astracão plus Siberia.

-  Ao início do século XVII Moscou e Kremlin foram sitiados pelas milícias russas, que bloquearam na capital da Rússia aos polacos junto com os cossacos ucrainoides, mercenários dos oligarcas polacos. Uma parte da elite de Moscou esteve pronta para beijar as botas do rei da Polônia Sigismundo III ou de seu filho – Vladislau IV. Um incêndio mais. No resultado o Czarato de Moscou virou o Império Russo, quando a Polônia desapareceu da grande política para sempre.

- Também aconteceram os incêndios durante o século XVIII – a alemã Caterina II até iniciou a demolição das muralhas do Kremlin com o objetivo de abrir o Grande Palacio de Kremlin para o rio Moskva (a maneira de São Petersburgo). Então o Kremlin quase foi destruído! Os Romanov quase acabaram com a Rússia, cedendo o controle sobre o país para os bancos estrangeiros. A mesma elite russa ao viver suas vidas em Paris esqueceu da língua russa...

- Mas Europa procura o controle absoluto: uma vez mais o Kremlin é queimado por Napoleão em 1812. A Rússia vive uma reação tradicionalista com Nikolai I e entra no conflito prolongado com Ocidente (a guerra quente da Criméia e a guerra fria do século XIX, conhecida como The Great Game).

- o Kremlin foi bombardeado pelos bolcheviques em 1917 e a Rússia, levada pelos Romanov para um beco sem saída se transforma na brilhante URSS.

- a Rússia Soviética se queima em 1993, quando os liberais atiraram o Conselho Supremo da Rússia, mas 20 anos depois a Rússia esta virando a União Eurasiática. 

Resumindo, não estamos contra a churrasqueira Kremlin. Não! Aquilo que não nos mata nos torna mais fortes.

**************

1. Na URSS alguns artistas-dissidentes foram reconhecidos como deficientes mentais ou perturbados sexualmente, e mandados para as clínicas especiais. Hoje é evidente que tal prática era bastante razoável: http://www.theguardian.com/uk-news/2015/apr/27/russian-dissident-vladimir-bukovsky-to-be-charged-over-child-abuse-images