четверг, 6 марта 2014 г.

Crimeia e Kosovo – quais são as diferenças?

Crimeia e Kosovo – quais são as diferenças? - Notícias - Internacional - Voz da Rússia



A Crimeia e o Kosovo têm muita coisa em comum: um estatuto de autonomia, bases militares estrangeiras em seu território e a aspiração à independência por parte da maioria da população. Mas também existem diferenças, nomeadamente os seus protetores.

Nos últimos dias muitas pessoas comparam os acontecimentos da Crimeia com a agressão da OTAN contra a Iugoslávia em 1999, mas cada um interpreta os acontecimentos à sua maneira. O antigo embaixador dos EUA em Moscou Michael McFaul, por exemplo, afirmou na CNN que a intervenção militar da Rússia é inadmissível porque existe uma grande diferença entre a situação na Crimeia e a que existia no Kosovo em 1999: “Não se deve comparar a Crimeia e a Ucrânia com o Kosovo e a Sérvia. A Sérvia ameaçava os kosovares, enquanto a Ucrânia não ameaça ninguém”.
Mas poderá um país ameaçar uma parte do seu próprio território? Na província autônoma do Kosovo vivem sérvios, albaneses, turcos e outros. Não existe um povo chamado “kosovares”. Quem protegiam aí os EUA? No Kosovo não vive um único estadunidense, mas na Crimeia há 1,5 milhões de russos. Isso é uma grande diferença.
Para a mídia ocidental, no entanto, há muito em comum entre a Crimeia e o Kosovo. Segundo escreveu Ian Traynor no The Guardian: “A tática e a metodologia usadas por Milosevic durante a guerra na antiga Iugoslávia e no Kosovo são aqui evidentes. Se Putin decidiu se tornar em novo Milosevic, o Ocidente irá assistir a uma nova divisão na Europa”.
Slobodan Milosevic queria o melhor, mas o resultado foi o de sempre. Ele não tinha forças para resistir ao avanço da OTAN para Leste. Ao querer expandir as suas forças para o Leste da Europa, os Estados Unidos elegeram a região autônoma do Kosovo e Metohija para a criação da sua base estratégica. Com essa finalidade eles usaram o Exército de Libertação do Kosovo (ELK), que até então figurava na lista norte-americana de organizações terroristas.
A operação antiterrorista das forças especiais sérvias contra o ELK no povoado de Racak em janeiro de 1999 foi usada como pretexto para os bombardeamentos da Iugoslávia sem a correspondente autorização da ONU. A mídia ocidental apresentou a operação no povoado de Racak como um assassinato em massa de população civil e apelaram aos EUA para que estes reagissem e protegessem as pessoas inocentes.
Dez anos depois, Helena Ranta, uma médica legista finlandesa, escreveu na sua autobiografia que tinha escrito o relatório sobre esse incidente sob pressão do então chefe da missão da OSCE no Kosovo William Walker e do Ministério das Relações Exteriores da Finlândia e que se tratava dos corpos de terroristas albaneses e não de civis.
Depois de as forças da OTAN terem entrado no Kosovo, os EUA construíram aí a sua segunda maior base militar na Europa – Bondsteel. Ela permite aos EUA controlar a área costeira do Mediterrâneo e do mar Negro, assim como as rotas do Oriente Médio, do Norte de África e do Cáucaso e o trânsito de matérias-primas combustíveis a partir da região do mar Cáspio e da Ásia Central. Para eles ter uma base na Sérvia é perfeitamente legítimo e muito útil. Os norte-americanos não pagam pela utilização dos terrenos públicos no Kosovo.
A Rússia, ao contrário dos norte-americanos no Kosovo, paga pela sua base naval 100 milhões de dólares por ano e a Frota do Mar Negro da marinha russa está na Crimeia já há 230 anos. “A Frota do mar Negro não é qualquer sem-teto. Sua casa é Sevastopol”, sublinhou o vice-premiê da Rússia Dmitri Rogozin. Ainda há 50 anos a Crimeia fazia parte da RSFS da Rússia e nao da RSS da Ucrânia, enquanto os EUA recorreram à agressão militar para simplesmente ocupar parte do território sérvio e fazem tudo para criar aí um estado-fantoche.
Os laços históricos, econômicos e culturais com a Ucrânia dão à Rússia pleno direito de intervir para proteger o seu povo. Mas o que fazem os EUA em território sérvio

Комментариев нет:

Отправить комментарий