суббота, 26 апреля 2014 г.

intelectuais alemães apoiam Rússia

Mais de 300 intelectuais alemães dirigiram uma carta aberta a Putin, sendo esta uma clara critica aos representantes do ocidente e em particular à União Europeia, pela importância e conteúdo desta carta passa-se a publicar.
Carta aberta a Putin por Volker Bräutigam 

Caro Sr. Presidente! 

No seu discurso para a Duma de Estado pediu a compreensão dos alemães.

Somos cidadãos alemães que sofreram a maior parte do pós-guerra na metade ocidental da Alemanha. Quando a Guerra Fria terminou, em 1990, e nosso país foi re-unido, um suspiro de alívio atravessou o mundo, porque o perigo sempre iminente de um conflito militar nuclear que teria engolido o mundo inteiro parecia ter sido evitado. A Alemanha teria sido exterminada. 

A União Soviética fez sacrifícios sem paralelo na sua contribuição decisiva para a libertação da Europa do nazismo. No entanto, em 1990 ela estava pronta para apoiar a reunificação alemã, em 1991, para dissolver o Pacto de Varsóvia e aceitar a adesão à NATO da Alemanha reunificada. Isso não foi honrado pelo Ocidente. O então embaixador dos EUA em Moscovo (1987 a 1991), Jack Matlock, confirmou há poucos dias no Washington Post que o presidente Bush havia concordado em não aproveitar a generosidade do presidente Gorbachev. A expansão da NATO nas ex-repúblicas soviéticas, o estabelecimento de bases militares nos ex-Estados do Pacto de Varsóvia e a criação de um escudo de defesa antimísseis na Europa Oriental com uma rescisão unilateral do Tratado ABM pelos Estados Unidos não são as únicas violações flagrantes da boa-fé. Estas medidas são entendidas por nós como uma reivindicação ocidental para poder ser dirigido contra o Estado russo e a consolidação económica do seu país depois que assumiu o cargo em 2000. Além disso, Keir A Lieber e Daryl G Press no seu artigo de 2006 Negócios Estrangéiros "A ascensão dos EUA como primazia nuclear" convincentemente mostrou que o objetivo do escudo antimísseis é facilitar um primeiro ataque nuclear de neutralização da Rússia. 

Esta história, de forma concisa, reflecte o contexto em que nós julgamos os acontecimentos na Ucrânia desde Novembro de 2013. Está agora bem documentado que os EUA têm explorado os protestos legítimos do povo ucraniano para seus próprios propósitos. O padrão é a forma evidente em outros países: Sérvia, Geórgia, Ucrânia, em 2004, Egipto, Síria, Líbia, Venezuela ...... 

No prazo de doze horas após o acordo negociado com a União Europeia e a OSCE, anunciado pelos ministros dos Negócios Estrangeiros do Triângulo de Weimar e envolvendo uma transição pacífica de poder, foi sumariamente revogada com a ajuda das forças fascistas. Aqueles por de trás do actual governo golpista em Kiev são mostrados no site da Open Ukraine Foundation do incumbente primeiro-ministro. 

As intra - e internacionais - questões jurídicas em torno da secessão da Crimeia são uma questão separada. Nós não abordamos aqui os eventos legais, mas apenas os puramente políticos. Contra os fundamentos dos desenvolvimentos na Europa desde 1990, a implantação de cerca de 1.000 bases militares dos EUA em todo o mundo, o controle dos Estreitos pelos EUA e a re-focalização dos autores da ameaça Maidan à frota russa do Mar Negro, vemos a secessão da Crimeia como uma medida defensiva com uma mensagem simultânea: até aqui e não mais! A diferença crucial com a declaração de independência do Kosovo é que este último só foi possível graças ao bombardeio ilegal da NATO, infelizmente, com a participação da Alemanha, que criou as condições para a sua independência. 

Caro Sr. Presidente, o senhor tem chamado a atenção para uma comunidade económica de Lisboa a Vladivostok já há quase quatro anos. Seria a base económica para a "casa comum europeia". A Ucrânia poderia fazer uma ponte perfeita para a futura cooperação entre a pretendida União da Euroásia e a União Europeia, nomeadamente em termos culturais. Estamos persuadidos que o propósito da influência maciça dos EUA é impedir que a Ucrânia se torne nessa tal ponte. As forças que têm prevalecido na Comissão Europeia estão a apoiar a política dos Estados Unidos contra a Rússia. O discurso do Secretário-Geral Executivo do Serviço Europeu para a Acção Externa, Pierre Vimont, a 14 de Março deste ano, é até agora único (EurActiv, "UE excluída da reunião EUA-Rússia para a Ucrânia"). 

Caro Sr. Presidente, nós confiamos que o seu discurso histórico em 2001 vai continuar a ser a base para as suas acções contra a União Europeia e a Alemanha no Bundestag alemão. As últimas sondagens mostram que a maioria dos alemães não querem qualquer confronto com a Federação Russa e entendem a reacção da Rússia aos acontecimentos na Ucrânia. Não subestimamos as dificuldades enfrentadas pela República Federal da Alemanha como membro da UE e da NATO em relação à Rússia, estas também são conhecidas por si. No entanto, pelo menos, esperamos que o Governo Federal opere de acordo com os antigos princípios jurídicos romanos audiatur et altera pars ("ouvir o outro lado também"). Esta foi, porém, omitida em conexão com a política de vizinhança da UE no caso da Ucrânia. 

Mesmo durante a Guerra Fria, a Rússia não fez uso do argumento de que 27 milhões dos seus cidadãos morreram durante a Segunda Guerra Mundial para ganho político contra a Alemanha. Esse número por si só dá uma qualidade especial nas relações entre nossos países. O povo da Alemanha tem um grande sentido sobre isto: quando "O Grupo das forças soviéticas na Alemanha", em 1994, deixou a Alemanha com uma actuação da sua banda de música na praça diante da Bundeskunsthalle, em Bonn, fez-se surgir respeito entre os numerosos espectadores e os músicos. 

Neste contexto, quando vemos as actuais notícias e comentários nos média alemães, só podemos dizer que achamos isso nojento. 

Caro Sr. Presidente, com os nossos meios modestos como simples cidadãos, vamos ajudar a garantir que a intencionada divisão da Europa não tenha êxito, mas que as ideias de Gottfried Wilhelm Leibniz sejam trazidas de volta à vida. Estamos convencidos de que, se os Estados e os povos do continente eurasiático regularem os seus assuntos pacificamente uns com os outros, com respeito, de forma cooperativa, com base na lei e sem interferência externa, isso também se irá estender para o resto do mundo. Nós o vemos nesse sentido como um aliado. 

Para o seu presente, e esperamos que no próximo mandato, desejamos-lhe força, resistência, inteligência e habilidade. 

Com o máximo respeito, 

Assinado por +300 pessoas (para a lista completa veja aqui

Комментариев нет:

Отправить комментарий